Instagram

3ª Conferência Municipal das Cidades do Município de Aurora, foi um sucesso







O evento aconteceu no Salão Paroquial, a Rua São Vicente, no centro da cidade, e foi promovido pela Prefeitura Municipal de Aurora, através da Secretaria de Agricultura, que tem a frente o Secretário José Dácio. Na oportunidade, foram discutidos junto a sociedade aurorense, diversos aspectos relacionados à Política Nacional de Desenvolvimento Urbano, bem como metas e planos de ação para enfrentar os problemas existentes nas cidades brasileiras; propiciar a participação popular de diversos segmentos da sociedade, considerando as diferenças de sexo, idade, raça e etnia para a formação de proposições, realização de avaliações sobre as formas de execução da Política Nacional de Desenvolvimento Urbano e suas áreas estratégicas.
A programação começou as 8:00h da manhã, com o credenciamento das pessoas participantes, seguido de um nutritivo café da manhã. Participaram do evento o Prefeito Municipal, Adailton Macedo; o Vice-Prefeito, Antonio Landim; Secretários Municipais; Assessores; os Vereadores Aderlânio Macedo (PSDB), Darc Landim (PSC), Valdeci Batista – Deci (PV) e Maria Iracilda (PSB); Agentes de Saúde; Representantes de Associações Comunitárias; Representante dos Empresários; Dentre outras autoridades de diversos segmentos da sociedade aurorense. A abertura oficial foi feita pelo Vice-Prefeito, Antonio Landim, que oportunamente representava o Sr. Prefeito Adailton Macedo, que encontra-se resolvendo problemas administrativos, mas que chegou poucos instantes após a abertura do evento.
Em sua fala, Antonio Landim, discorreu a respeito da importância da realização da referida conferência, haja vista, que é de fundamental importância para o progresso relacionado a Política Nacional de Desenvolvimento Urbano do Município. Na sequencia, foi entoado os Hinos Nacional e Municipal, seguido das palavras do Coordenador da Conferência, José Dácio, que falou a respeito do propósito de buscar melhorias para o município, bem como destacou a forma representativa da III Conferência Municipal das Cidades. Em seguida, aconteceu a leitura do Regimento Interno do evento, que foi aprovado por unanimidade pelos participantes.
Passada a palavra ao Prefeito Municipal, Adailton Macedo, o mesmo salientou a respeito de incentivar a população aurorense a participar de forma mais constante de eventos tão importantes para o município, como é a referida conferência; falou do código de postura do município para o ano de 2010; lamentou pelo fato de Aurora não poder ser incluso no Programa “Minha Casa, Minha Vida”, haja vista, que o mesmo só atende cidades com população acima de 50 mil habitantes, mas que está lutando para conseguir junto a Caixa Econômica Federal, 230 casas para os distritos de Ingazeiras, Santa Vitória, Tipi e também para a sede do município; falou ainda, que espera que o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), possa resolver os problemas de saneamento básico da cidade, principalmente da sede, bem como o abastecimento d’água de várias localidades do município.
Na mesma ocasião, houve uma Palestra Magna, proferida pelas seguintes autoridades: José Vivaldo (Maninho de Vila), Dr. Sebastião Rangel, também pelo próprio prefeito Adailton Macedo, onde foram discutidos assuntos relacionados aos Eixos Temáticos. Através de um data show, foram apresentadas várias fotos de algumas ruas da sede, mostrando os pontos críticos e a falta de colaboração e compreensão da própria sociedade aurorense, como por exemplo: obstrução de vias públicas, através de entulhos, produtos sobre as calçadas dos comércios, carros parados em lugares impróprios, dentre outros. Em seguida, teve a formação dos grupos temáticos, onde foram discutidas e apresentadas as propostas que serão levadas para a IV Conferência Estadual das Cidades, que acontecerá nos dias, 17 e 18 de março de 2010 e conseqüentemente a Conferência Nacional, marcada para o período de 24 a 28 de Maio, também de 2010. Na mesma ocasião, foi feita a escolha dos delegados que representarão Aurora, nas conferências acima mencionadas.
Para finalizar os trabalhos, o alcaide aurorense fazendo o uso da palavra novamente, disse que gostaria muito de ter arrematado pelo menos 50 casas em um Leilão que o mesmo participou recentemente, em Fortaleza, para beneficiar as pessoas carentes do município, mas que infelizmente o processo do referido Leilão não ofereceu nenhuma oportunidade de arremate. Disse ainda, que para o exercício do ano que vem, pretende adquirir em pelo menos 30% da merenda escolar do município, através da agricultura familiar. Por fim, Adailton Macedo, fez a entrega de certificados aos participantes da III Conferência Municipal das Cidades, seguido do almoço oferecido para todos os conferencionistas.
Estamos preparando um álbum de fotos do evento. Aguarde!

Câmara de Vereadores de Aurora aprova a realização do Concurso Público

A reunião foi motivada em virtude da apresentação do Projeto sobre a realização do Concurso Público, que ora estava sendo analisado e discutido conjuntamente pelo os dois Poderes. O mais importante é sabermos que temos um Prefeito, que está interessado na efetivação, o quanto antes do referido Concurso Público, esse gesto de democracia do alcaide aurorense, aberto ao diálogo e discussão, o diferencia muito de outros Prefeitos que passaram pelo o Executivo Municipal.
Na sua fala no plenário da Câmara Municipal de Vereadores falou da importância do Concurso e deixou bem claro que todo e qualquer concursado exercerá integralmente suas funções, e não admitirá que tenha no Município, funcionários ociosos, sem querer trabalhar, tendo em vista que muitos valorizam mais o salário do que o cargo que exerce. Disse ainda, que fará uma equiparação salarial dos funcionários da mesma categoria. O que merece destaque também, é a participação efetiva dos representantes do povo (Vereadores), que opinaram democraticamente, sem nenhuma restrição do gestor Municipal. No desenrolar das atividades deu toda liberdade a Câmara Municipal de Vereadores, para se posicionar da forma que achava convincente, e até mesmo fazer alguns ajustes ou correções em determinadas funções ou salários, que não estevam de acordo com o seu conceito apreciativo, tudo isso dentro de um verdadeiro clima de entendimento e consenso de ambas as partes. Estiveram participando também do evento os Secretários Municipais, que não ocasião, fizeram uma avaliação atinente ao Projeto do Concurso Público.
Segundo os mesmos, será muito importante para o Município de Aurora a efetivação desse Concurso, tendo em vista que ajudará a organizar todos os setores da Administração Municipal. Todas as discussões ocorridas no plenário durante os trabalhos, foram acompanhadas por um bom número de pessoas que compareceu a câmara, lotando as suas galerias e o auditório. A condução dos trabalhos legislativos também foi exemplar por parte do presidente, o Vereador Paulo José (PRP). Por conta do horário corrido, os parlamentares, assim como os secretários municipais, assessores e convidados almoçaram na própria câmara num oferecimento da casa. A referida sessão, entra para história do Poder Legislativo, como a mais longa de todos os tempos, haja vista, que a mesma começou as 8:00h e encerrou as 18:20h. A votação do Concurso Público em Plenário resultou na sua aprovação, e contou apenas com um voto desfavorável, ou seja, o voto do Vereador Chico Henrique (PMDB), que em sua justificativa disse: “Sempre falei nesta augusta casa que seria contra a realização de concurso público.
Portanto, não seria agora que mudaria de opinião”, concluiu o vereador. Já a votação do projeto que determina a criação do DEMUTRAN (Departamento Municipal de Trânsito) no município, foi aprovado com 5 votos favoráveis e 2 votos contrários. Votaram contra o referido projeto os Vereadores Gerismar Pereira (PSB) e Valdeci Batista (PV). O primeiro parlamentar disse que o município não estava preparado para receber o Demutran, enquanto o segundo vereador argumentou que no primeiro momento que o projeto entrou na Câmara, não havia entendido o mesmo, e que, apesar de já está por dentro do projeto continuaria votando desfavorável. Já o Vereador Francisco Ferreira Sobrinho - Erieudes (PSC) preferiu se retirar do plenário, sob a alegação de que havia sido convocado para aquela sessão, com o propósito de votar apenas o projeto do concurso público e não outros projetos. Dos três Projetos de Lei do executivo aurorense, apenas a votação do orçamento para o exercício do ano de 2010 e suas possíveis emendas, por uma questão de consenso ficaram para a sessão posterior.

Casarão do Cel. Xavier: Uma reflexão precisa e necessária


http://blog adriano sousa
Notadamente os intelectuais, os formadores de opinião, os professores, os pesquisadores, os autodidatas, enfim todos aqueles que de alguma maneira devem (ou deveriam) nutrir um sentimento de amor e afeto à preservação da memória histórica deste município salgadiano e que agora acaba de completar seus 126 anos de história. Creio desta maneira, a população como um todo ficaria mais atenta e vigilante no sentido de um maior comprometimento com as coisas que o passado nos legou e que de algum modo temos o dever de conservá-las às novas gerações e a posteridade. Afinal de contas, não cabe apenas ao poder público por iniciativa muitas vezes isoladas e episódicas dá esta tratativa incomum como forma de preservação histórica. Se assim não o fosse, muito do que já foi perdido para sempre não teria ocorrido. Neste aspecto em particular é que haveremos de relevar como uma iniciativa grandiosa a decisão da compra do antigo casarão, sobremaneira num momento de crise por que passam os municípios brasileiros. Penso ser este um presente que não tem preço, oferecido aos aurorenses justamente num momento em que seus filhos ainda festejam o auspicioso aniversário de 126 anos de uma bela história. Um momento de absoluta celebração... Como se o nosso passado voltasse incontinenti à baila como em vídeo - tape.
No entanto, é preciso que se leve esta reflexão para os nossos centros do saber: as escolas em todos os níveis, o ambiente da sala de aula em todos os seus contextos precisam da argamassa temática do nosso próprio cotidiano. Quem sabe parte do desmoronamento do nosso nível de aprendizagem não resida no fato de que carece da praxe freiriana de se trabalhar o que é nosso? A abordagem acerca do velho casarão do coronel Xavier não é apenas história como tal se parece. É ética, cidadania, psicologia educacional, geografia política, filosofia, enfim, uma boa discussão que terá a cara daquilo que nos propomos a fazer dela. A depender do nível de compreensão que teremos de uma iniciativa como esta que também se insere na pedagogia do fazer sociocultural e histórica de qualquer urbe preocupada com seus entes sociais. O que no fundo fomentará a informação necessária no tocante àquilo que efetivamente nos pertence e criando as condições objetivas para que lutemos por sua manutenção. Urge que façamos com que cada cidadão se sinta sujeito da sua própria história e isso só acontecerá através da consciência crítica e da autocrítica acerca das coisas e do mundo no qual estamos inseridos como sujeitos históricos. E através de uma educação de fato e sem nenhuma máscara como uma ferramenta e atitude de intervenção.
Os que não pensam assim de certo modo deseducam mais do que desinformam o que é muito pior. Os que não vêem na preservação da memória histórica uma saída para a compreensão do presente e do futuro de algum modo deletério estão na chamada contramão da história e dos acontecimentos hodiernos. Cada um pensa como quer e como pode, este é um princípio que a democracia lhe confere, no entanto, pensar errado não pode ser nem de longe algo admissível quando o que está em jogo é a tentativa da construção da própria identidade de um povo, cujo papel da história tem um peso especial.Nenhuma civilização regrediu tanto quando esqueceu o seu passado. Nenhum povo conseguiu se perpetuar no tempo e no espaço não fosse o nível de cultura que deixou em formas de registros que vão desde a oralidade, artes, tradição, monumentos, isto é, um conjunto de patrimônio histórico quer seja material ou imaterial. Tudo como indicativo da sua mais alta e inquebrantável identidade social e humana. E Aurora não pode se dá ao luxo de não enxergar este fundamento quase axiológico e pensamental.
Portanto, a compra do velho Casarão do coronel Xavier veio em boa hora. Até porque o antigo prédio não suportaria mais uma invernada. Sua situação a cada dia que passa se agrava ainda mais e está periclitante mesmo diante dos olhos de todos. Era como sua presença se desse no nível do invisível ou do supra físico. Sua recuperação arquitetônica, portanto, requer agora um caráter emergencial. O tombamento pode até esperar, mas sua recuperação nem tanto.O antigo casarão representa hoje a mais antiga e, portanto, o mais significativo do patrimônio histórico de Aurora e quiçá de todo o Cariri Oriental. Vez que fora erguido nos idos de 1831 seis anos antes da própria matriz que na época da construção do sobrada não passara de um minúsculo oratório remanescente do padre Manoel de Oliveiro, dantes proprietário da fazenda Logradouro, como era chamado todo o espaço circunscrito hoje ao centro da cidade.
Após comprar a fazenda o Coronel Fco. Xavier de Sousa decidiu por construir o sobrado bem ao lado do oratório. E o fez com imponência, uma construção arrojada e grandiosa para a época, algo que pudesse a um só tempo evidenciar o seu poder e demarcar por assim dizer, o centro espacial que a partir de então, seria o núcleo irradiador do seu comando. Um local estratégico escolhido a dedo uma vez que de lá podia se vislumbrar toda a visão panorâmica do que ocorria naquela ribeira de frente para o rio e o nascente. Ainda com amplas janelas viradas para todos os lados, o coronel d’Aurora podia num raio de 360º graus se dá conta em pouco passos do cotidiano da antiga Venda Grande d’Aurora. Do alto, o coronel podia ver, por exemplo, o que faziam o preto Benedito na sua capela à margem do Salgado e a mulher Aurora na sua hospedaria a receber com sua graça os almocreves que subiam e desciam do litoral e dos sertões adentrando num verdadeiro frenesi o Cariri, pernoitando na Venda da dona Aurora. Por fim, digamos agora que o velho sobrado, testemunho maior da história aurorense hoje mais do que nunca pertence (como não podia deixar de ser) a todos os filhos desta terra.
A aquisição do casarão, é muito mais que uma ação isolada de um gestor preocupado com o bem-estar da municipalidade como seria o lugar-comum de muitos pelo Brasil afora. Mas não. A aquisição do casarão é uma obra da mais alta relevância social, justamente pelo fato de está diretamente atrelada não apenas ao presente, mas, sobretudo ao passado, o presente e o futuro de várias gerações que já se foram e que ainda estão por vir. Uma obra póstuma, pretérita e ainda mais futurista. Uma motivação a mais para que todos os aurorenses nunca mais se sintam distantes dos seus ancestrais o suficiente para não se sentirem parte importante de uma construção humana que nunca termina, malgrado a insensibilidade dos homens. Uma obra que de tão substantiva talvez somente no futuro haveremos de compreender na sua totalidade a imensa valia do seu papel na formação e consolidação da nossa consciência cidadã. Um gesto desprendido e por isso mesmo grandiosa do alcaide Adailton Macedo em favor da sua terra. A propósito, como estaria Aurora se outros tivessem pensado antes e agido também com esta acurada visão histórica e social? Se outros não tivessem a incompreensão ousada de mandar calar o som das gargantas de poucos que defendiam o casarão mesmo antes dele chegar a este atual estado de quase morte? Mas como dizem: antes tarde do que nunca. Vida longa ao casarão nos seus 178 anos de resistência ao tempo e a insensibilidade dos homens!

Diretor do São Paulo cita invasão no Maracanã e espera ter recurso acolhido




http://blog adriano sousa
O São Paulo irá apresentar na segunda-feira, ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva, seu recurso no caso da invasão de campo durante confronto contra oInternacional, dia 28 de outubro. Um torcedor entrou no gramado do Morumbi, interrompendo a partida. O clube foi julgado e perdeu um mando de campo. Contra o Sport, dia 6 de dezembro, na última rodada do Brasileirão, o Tricolor terá de jogar a 100 km de casa. O vice-presidente de Futebol tricolor, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, espera que o Tribunal acolha o recurso tricolor e se baseia em um episódio que teria ocorrido no Maracanã. Ele afirma que, após o apito final do jogo entre Flamengo e Santos, dia 31 de outubro, um torcedor com a camisa rubro-negra entrou no gramado do Maracanã para abraçar Adriano. - Se há antecedentes que beneficiaram outros clubes, não é possível que o São Paulo seja punido. Temos o caso do torcedor que invadiu para abraçar o Adriano e não houve punição. Tenho confiança no Tribunal, que é formado por pessoas idôneas - afirmou Leco, em entrevista à rádio “Jovem Pan”.

O incidente alegado por Leco não foi relatado na súmula da partida entre Fla e Peixe

Definido os times finalistas da Copa Aurora de Futebol 2009 (Lêço Quezado)

http://blog adriano sousaEm mais uma rodada emocionante da Copa Aurora de Futebol – edição 2009 saiu os dois times finalistas da primeira divisão da competição. Após empate por zero a zero no tempo normal nos confrontos envolvendo as equipes do Esporte Clube Araçá X Real Futebol Clube Ingazeiras e Esporte Clube Vitória X Ceará Sporting Clube Japão, e vitória nas cobranças de penalidades máximas a favor das duas agremiações primeiras, a grande final da Copa Aurora acontece no próximo dia 10, data em que o município completa 126 anos de emancipação política. Para tanto, a Seculte já ultima todos os preparativos visando a decisão da competição. Os dois times finalistas chegaram à decisão da Copa de forma invicta. No próximo sábado (07), Real FC Ingazeiras e Ceará do Japão farão a disputa do terceiro lugar da competição. Pela segundona, Juventus dos Grossos e Agremiação Atlética Pankdão decidirão o titulo. Confira a campanha de ambas às equipes:
Esporte Clube Vitória:
4 X 0 Nova República de Ingazeiras
2 X 1 Soledade E. C.
1 X 0 Vila Alta de Ingazeiras
2 X 0 Soledade E. C.
0 X 0 Ceará do Japão
Esporte Clube Araçá:
7 X 0 São Caetano
7 X 1 Canarinho da Cachoeira
3 X 0 Juventude do Espinheiro
4 X 1 São Benedito
0 X 0 Real FC Ingazeiras


MAIS NOTÍCIAS